O Nobre Caminho Óctuplo

O sofri­men­to (ou insa­tis­fa­ção) ine­ren­te à vida é a pri­mei­ra Nobre Verdade do budis­mo. A forma de aca­bar com o sofri­men­to é a quar­ta Nobre Verdade. Foi para aju­dar os seres sen­cien­tes a acabar com o seu sofri­men­to que o Buda Shakyamuni ensi­nou o Nobre Caminho Óctu­plo. Ele cons­ti­tui a versão detalhada da quar­ta Nobre Verdade e é fun­da­men­tal à práti­ca budis­ta. Diz-se “óctu­plo” por­que é for­ma­do por oito ele­men­tos ou face­tas; “nobre”, por ser moral­men­te cor­re­to e por­que nada nele nos desen­ca­mi­nha­ria; “cami­nho” porque deve ser segui­do duran­te um perío­do, da mesma forma que uma tri­lha, e por­que leva dire­ta­men­te à meta da liber­ta­ção do sofri­men­to e da ilu­são.

 

Fatores do Nobre Caminho Óctuplo

Seguir o Nobre Caminho Óctu­plo é o ­melhor e mais fun­da­men­tal modo de praticar nossa cren­ça nos ensi­na­men­tos do Buda. Trata-se de ­seguir seus oito fatores ou aspectos:

  1. Compreensão Correta (Samyag-drsti);       
  2. Pensamento Correto(Samyak-samkalpa);
  3. Fala Correta (Samyag-vac);        
  4. Ação Correta (Samyak-karmanta);
  5. Meio de Vida Correto (Samyag-ajiva);      
  6. Esforço Correto (Samyak-vyayama);
  7. Atenção Correta (Samyak-smrti);      
  8. Concentração Correta (Samyak-samadhi).

 

Idealmente, todos deve­riam ser pra­ti­ca­dos simul­ta­nea­men­te. Cada um des­ses fatores será dis­cu­ti­do em maior deta­lhe nas ­seções que se seguem.

 

Compreensão Correta

É extre­ma­men­te impor­tan­te ter a Compreensão Correta, por­que dela flui dire­ta­men­te tudo o mais no budis­mo. No come­ço, não pode­mos espe­rar que nossa compreensão este­ja em per­fei­ta harmonia com o Darma. Se fosse assim, já não tería­mos nada a apren­der. Daí que um aspec­to fun­da­men­tal da Compreensão Correta é a von­ta­de de empreen­der um autoquestionamento, sobre­tu­do no que diz respeito ao nosso com­por­ta­men­to. A maio­ria das pes­soas gasta um tempo enor­me ten­tan­do jus­ti­fi­car o que fez ou quer fazer. Como budistas, deve­mos come­çar a rever­ter tal pro­ces­so e, em vez de jus­ti­fi­car nossas trans­gres­sões, ten­tar des­co­brir o que elas são e apren­der como transfor­má-las.

O Sutra Shrimala-devi-simhanada (Sutra Rugir de Leão da Rainha Shrimala) diz que Compreensão Correta é aque­la que não leva à nossa ruína. De acor­do com o Sutra Avatamsaka (Sutra da Guirlanda de Flores), Compreensão Correta é a que nos tira da ilu­são. Para o Tra­ta­do sobre a Perfeição da Grande Sabedoria, Compreensão Correta é a pró­pria sa­be­do­ria. O Portais Gradativos para o Mundo do Darma ensi­na que Compreensão Correta é a clara e per­fei­ta per­cep­ção das Quatro Nobres Verdades.

A pala­vra “compreensão” deno­ta, aqui, nossa forma de ver e enten­der a vida, o que estabe­le­ce nossa filo­so­fia de vida. Compreensão Correta, basicamen­te, é sin­to­nia com o Darma. Para tê-la, é essen­cial com­preen­der clara­men­te a Gênese Condicionada, o prin­cí­pio de Causa e Efei­to, o Carma, as Quatro Nobres Verdades e a dife­ren­ça entre o bem e o mal.

Além da ideia clara a res­pei­to dos con­cei­tos bási­cos do budis­mo, outro ele­men­to importan­te da Compreensão Correta é um enten­di­men­to pro­fun­do das ver­da­des do budis­mo. O Darma é ver­da­dei­ro. A ilu­mi­na­ção do Buda é real. O Darma adap­ta-se às con­di­ções de onde esti­ver, mas, em essên­cia, nunca muda, por­que sem­pre apon­ta para a mente búdi­ca ilu­mi­na­da.

O momen­to do pri­mei­ro vis­lum­bre da ver­da­de do Darma é aque­le em que se vislum­bra o Buda – e é aí que come­ça a se esta­be­le­cer a Compreensão Correta. Dito de outra forma, Compreensão Correta é a mente búdi­ca des­per­ta que come­ça a atuar em nós.

 

Nas pro­fun­de­zas da mente, apoie-se na pure­za do Darma. Em pouco tempo, seus fru­tos supre­mos serão alcan­ça­dos.

 Sutra do Grande Nirvana

 

Pensamento Correto

Obviamente, o Pensamento Correto fun­da­men­ta-se na Compreensão Correta. Se nossa compreensão da vida neste mundo esti­ver cor­re­ta, os pensa­men­tos dela decor­ren­tes tam­bém o serão.

Sem dúvida, na prá­ti­ca do pensamento correto, deve exis­tir uma interação cons­tan­te entre a intenção (pensamento) e a com­preen­são. Não basta que­rer ter Compreensão Correta ou Pensamento Correto. Até o pró­prio Buda pre­ci­sou de seis anos de inten­sa prá­ti­ca ascé­ti­ca para che­gar ao pleno enten­di­men­to da ver­da­de.

O ali­cer­ce essen­cial para o Pensamento Correto, assim como para a Compreensão Correta, é a von­ta­de de ques­tio­nar a nós pró­prios e às nos­sas cren­ças. Ninguém con­se­gui­rá conquis­tar Compreensão Correta nem Pensamento Correto sem pas­sar lon­gos perío­dos em intensa e fran­ca introspec­ção. O Shastra Yogachara-bhumi (Tratado sobre os Estágios da Prática da Ioga) diz: “Quando se inves­te ener­gia na Compreensão Correta, alcan­ça-se um esta­do livre do mal e da raiva, que é o Pensamento Correto”.

Pensamento Correto é aque­le desas­so­cia­do dos Três Venenos – cobi­ça, raiva e ignorância. Pode ser visto como a fer­ra­men­ta que nos ajuda a apli­car a Compreensão Correta à nossa vida. Podemos ler a res­pei­to da Compreensão Correta e até enten­der o que lemos; entretanto, saber o que é Compreensão Correta não tem gran­de uti­li­da­de. É o Pensamento Correto que nos ajuda a apli­car essa compreensão à nossa vida.

A Compreensão Correta ­baseia-se em um vis­lum­bre da mente búdi­ca. O Pensamento Correto tem por fun­da­men­to lem­brar aque­le vis­lum­bre e concentrar toda a nossa força para nos aproxi­mar dela cada vez mais.

 

Como puri­fi­car as ten­dên­cias da mente? Através da intros­pec­ção pro­fun­da, contem­ple o fato de que a fonte de todo bem e de todo mal nada mais é que a pró­pria mente. Um sim­ples pen­sa­men­to mal­do­so pode produzir uma por­ção de con­se­quên­cias noci­vas, ao passo que um sim­ples pen­sa­men­to bom pode gerar uma abun­dân­cia de coi­sas boas.

Mestre Yongjia Xuanjue (665-713)

 

Fala Correta

A Fala Correta evita que crie­mos carma negativo pela palavra. A maio­ria das pessoas cria gran­de parte de seu carma nega­ti­vo por meio de pala­vras des­tem­pe­ra­das. Não deve­mos ter medo de falar a ver­da­de, mas a forma como dize­mos as coi­sas e o momen­to que escolhe­mos para isso são muito importantes. Uma ver­da­de dita na hora erra­da – corri­gir alguém na fren­te de outras pes­soas, por exem­plo – pode cau­sar imenso sofrimen­to. Se mesmo uma ver­da­de pode cau­sar danos, ima­gi­ne o tama­nho dos pre­juí­zos que são gerados com men­ti­ras, aspe­re­za e mexe­ri­cos!

Em sua defi­ni­ção mais ele­men­tar, Fala Correta equi­va­le a não men­tir, não ter duas caras (não ser fin­gi­do), não ser rude e não ser sar­cás­ti­co (não caçoar). Além des­sas características, Fala Correta é tam­bém aque­la que não é irri­tan­te, difa­ma­tó­ria, orgu­lho­sa ou arro­gan­te, insul­tuo­sa ou crí­ti­ca, amar­ga ou cáus­ti­ca, injus­ti­fi­ca­da­men­te extra­va­gan­te ou pom­po­sa. Seria bom que todos os budis­tas estu­das­sem essa lista com muita aten­ção.

Cabe repe­tir: gran­de parte do carma nega­ti­vo é cria­da por meio da fala. Examine sua vida e veja se isso não é ver­da­de.

Há qua­tro dire­tri­zes que pode­mos e deve­mos ­seguir no que diz res­pei­to à fala:

  • Só falar a ver­da­de;

  • Ser com­pas­si­vo ao falar. Se acre­di­tar que suas pala­vras pode­rão ferir os sentimentos de alguém, cale-se sim­ples­men­te. Use a voz para trazer gen­ti­le­za e bon­da­de ao mundo;

  • Ser enco­ra­ja­dor. Às vezes, uma sim­ples pala­vra pode tra­zer paz e alegria a alguém. Caso tenha a opor­tu­ni­da­de de ani­mar ­alguém, não se con­te­nha – suas pala­vras tal­vez sejam jus­ta­men­te o que ele está pre­ci­san­do ouvir;

  • Ser pres­ta­ti­vo. Utilize as pala­vras para aju­dar o pró­xi­mo. As pala­vras podem ser úteis de ­várias for­mas – para expli­car e ensi­nar, para incenti­var os ­outros a con­ver­sar conos­co sobre algum assun­to. Este últi­mo ponto é bas­tan­te importante, uma vez que a melhor forma de apren­der o Darma é por meio do diálogo e da argumentação.

Para a fala, assim como para tudo o mais, o ­melhor exem­plo é sem­pre o Buda. Lembre-se: o Buda era conhe­ci­do como “aque­le das pala­vras verdadeiras, aque­le que não muda suas pala­vras, aque­le que não mente”. O Darma ensi­na­do pelo Buda é o ­melhor exem­plo de Fala Correta no mundo.

 

Os que são sábios praticam a fala correta, a fala suave, a fala harmoniosa e a fala verdadeira. Isso porque o uso da fala correta nos livra da frivolidade, o da fala suave nos livra da rispidez, o da fala harmoniosa nos livra da duplicidade e o uso da fala verdadeira nos livra da mentira.

Mestre Yongjia Xuanjue (665-713)

 

Ação Correta

Pensamento Correto diz res­pei­to ao fun­cio­na­men­to da mente. Fala Correta refere-se à utili­za­ção da lin­gua­gem. Ação Correta abran­ge tudo o que faze­mos com o corpo, incluindo bons hábi­tos de ali­men­ta­ção e sono, exer­cí­cio e repou­so ade­qua­dos, hábi­tos de tra­ba­lho e tudo o mais que se rela­cio­na ao corpo e ao carma gera­do pelo seu comportamen­to.

Ação Correta é ­seguir os Cinco Preceitos do budis­mo. Implica uti­li­zar o corpo para executar e expres­sar as con­clu­sões cor­re­tas tira­das por meio do Pensamento Correto e da Compreensão Correta.

 

Concentre total­men­te a mente no Buda. Realize o poten­cial da natu­re­za humana. Quando a natureza humana for realizada em todo o seu potencial, a budeidade será atingida.

Mestre Taixu (1889-1947)

 

Meio de Vida Correto

Meio de Vida Correto, ou Profissão Correta, diz res­pei­to à forma como ganha­mos a vida. Isso pode ser problemático em meio às com­ple­xi­da­des do mundo moder­no. Meio de Vida Correto impli­ca não fazer e não levar nin­guém a fazer nada que viole os pre­cei­tos do budis­mo. De acor­do com o Shastra Yogachara-bhumi (Tratado sobre os Estágios da Prática da Ioga): “Meio de Vida Correto sig­ni­fi­ca que, para aten­der às necessi­da­des de vestuário, alimenta­ção e ­outros itens, não se fará nada que viole a mora­li­da­de”.

Todo tra­ba­lho deve estar na maior sin­to­nia pos­sí­vel com os ensinamentos do Buda. Nossa ocu­pa­ção não deve pre­ju­di­car nin­guém, nem tam­pou­co incen­ti­var que outra pes­soa o faça. O Buda Shakyamuni viveu em uma socie­da­de muito dife­ren­te da nossa. A des­pei­to disso, ele rela­cio­nou duas espe­ci­fi­ci­da­des rela­ti­vas ao tra­ba­lho que ainda são váli­das para os budis­tas de hoje:

  • Não ter casas de jogos, bares, bor­déis ou mata­dou­ros.
  • Não caçar, pes­car ou exer­cer pro­fis­são que envol­va matan­ça de animais.


O tra­ba­lho que faze­mos neste mundo ­produz mui­tas sementes cármicas. O budis­mo é conheci­do como Caminho do Meio por­que o Buda sem­pre ensinou seus segui­do­res a evitar extremos em tudo – equi­lí­brio e dis­cer­ni­men­to são aspec­tos fun­da­men­tais da sabe­do­ria. Assim, ao ana­li­sar nossa ocu­pa­ção e com­pa­rar o que faze­mos com as ver­da­des do Darma, é pre­ci­so nos cer­ti­fi­car de que não esta­mos sendo radi­cais em nos­sas interpreta­ções.

Porém, se com esta análise con­cluir­mos que nossa ati­vi­da­de con­tra­ria os ensi­na­men­tos do Buda, será neces­sá­rio mudar a forma como tra­ba­lha­mos ou até mudar de ocu­pa­ção. Esse tipo de mudan­ça não deve ser empreen­di­do pre­ci­pi­ta­da­men­te. Devem-se levar em consideração os membros de nossa família, patrões, empregados e todas as pes­soas que pos­sam ser afe­ta­das por nos­sas deci­sões.

 

Esforço Correto

Depois de ter colo­ca­do a vida em ordem, ou seja, quan­do tiver­mos Compreensão Correta, Pensamento Correto, Fala Correta e Meio de Vida Correto, natu­ral­men­te pas­sa­re­mos a fazer o Esforço Correto.

Esforço supõe mudar para ­melhor, tor­nar-se mais sábio, calmo e moralmen­te corre­to. Com Esforço Correto, enten­de­mos ­melhor o Darma a cada dia que passa e aprende­mos a apli­cá-lo mais e mais em nossa vida.

Na prá­ti­ca do budis­mo, como em tudo, man­ter a regu­la­ri­da­de é importan­te. Se nos tornarmos pre­gui­ço­sos ou desa­ten­tos, come­ça­re­mos a regre­dir. O Darma con­tém tesou­ros pro­fun­dos, sendo impos­sí­vel son­dar sua dimen­sãoem pouco tempo. Devemosnos engajar nos ensi­na­men­tos do Buda e, de forma regu­lar e gra­dual, apren­der a valo­ri­zar a vas­ti­dão do Darma e a sabe­do­ria do Buda. Nossa sabe­do­ria se ­ampliará enquan­to permanecermos pró­xi­mos do Darma, per­mi­tin­do que este indi­que como deve­mos nos comportar.

O Tratado sobre a Perfeição da Grande Sabedoria suge­re qua­tro for­mas de esforço correto:

 

  • mani­fes­tan­do a bon­da­de onde ela não exis­te;
  • fomen­tan­do a bon­da­de onde ela exis­te;
  • não mani­fes­tan­do o mal onde este não exis­te;
  • extin­guin­do o mal onde este exis­te.

 

Quem con­si­de­ra pro­ble­má­ti­co ­demais pra­ti­car os ensi­na­men­tos do Buda provavel­men­te não compreen­deu que os pro­ble­mas cau­sa­dos pela pre­gui­ça são muito pio­res. A prá­ti­ca des­ses ensinamen­tos, ape­sar de requerer esfor­ço, não é algo que dure para sem­pre. Chega o dia em que o êxito é alcan­ça­do, o que resul­ta em imen­sa ale­gria. Por outro lado, a pre­gui­ça, e a falha em praticar esses ensinamentos, acabam por rou­bar toda a nossa paz, levan­do-nos a ­sofrer ao longo de mui­tas vidas.

Mestre Xing’an (1686-1734)

 

Atenção Correta

Atenção Correta sig­ni­fi­ca encontrar den­tro de si a pure­za ine­ren­te à mente búdi­ca e nela per­ma­ne­cer, não permitindo que essa pure­za seja obscure­ci­da pelos vene­nos da cobi­ça, da raiva e da ignorân­cia.

A Atenção Correta advém dos seis pri­mei­ros aspec­tos do Nobre Caminho Óctuplo. Ela é uma parte pura nossa, que se expan­de con­ti­nua­men­te à medi­da que praticamos o Darma. O Sutra dos Ensinamentos Legados pelo Buda diz: “Se nossa Atenção Correta for firme, pode­re­mos até pene­trar no perigo­so mundo dos Cinco Desejos sem que ­nenhum mal se abata sobre nós. É como usar uma arma­du­ra numa bata­lha – não há nada a temer”.

Os budis­tas devem sem­pre privilegiar a Atenção Correta em detri­men­to do raciocí­nio iludi­do. Se a nossa Atenção é correta não sere­mos aba­la­dos pelas fal­sas distin­ções da dua­li­da­de. Não caire­mos na ilu­são das opo­si­ções nós/outros, perda/ganho, vida/morte. A Atenção Correta nos ensi­na a manter a cons­ciên­cia de que as coi­sas são como devem ser e que tudo o que pode­mos fazer é tra­zer um pouco mais de bondade a este mundo.

O Buda ensi­nou qua­tro con­tem­pla­ções para nos aju­dar a con­quis­tar e man­ter a Atenção Correta – um esta­do em que não há apego a ­nenhum dos inces­san­tes capri­chos da ilu­são. As con­tem­pla­ções apre­sen­ta­das a ­seguir desti­nam-se a nos auxi­liar no esfor­ço de nos liber­tar da fas­ci­na­ção pelo mundo da ilu­são. Depois de eli­mi­na­do esse fas­cí­nio, começare­mos a per­ce­ber a pureza e a bele­za que repou­sam no âmago da Atenção Correta. As contemplações da Atenção Correta são mostradas a seguir:

 

Contemplação da impu­re­za. Uma das cau­sas mais fun­da­men­tais do apego das pessoas à ilu­são é o gran­de amor que ­nutrem pelo corpo. Uma quan­ti­da­de enor­me de cobiça e raiva surge do amor ao corpo. O corpo deve ser cui­da­do e não deve ser mal­tra­ta­do; porém, não pode­mos con­des­cen­der com ele. Todos devem se conscien­ti­zar ple­na­men­te de que o corpo vai um dia adoe­cer e morrer.

Mesmo sau­dá­vel, o corpo é reple­to de excre­ções, ali­men­to semi­di­ge­ri­do, muco, linfa, san­gue, urina e mui­tas ­outras subs­tân­cias que são, essencialmente, impu­ras. O Buda ensinou a con­tem­plar a impu­re­za do corpo para nos aju­dar a supe­rar o apego a ele. O obje­ti­vo dessa con­tem­pla­ção não é nos cau­sar repul­sa, mas aju­dar a nos liber­tar do apego ao mundo da carne.

 

Contemple que tanto o corpo quan­to a apa­rên­cia do corpo são ­vazios.

Sutra do Grande Nirvana

 

Contemplação do sofri­men­to. Contemple que todas as sen­sa­ções são dolo­ro­sas ou levam à dor. Esta con­tem­pla­ção volta a enfa­ti­zar a Primeira Nobre Verdade. Indepen­den­te­mente do que acon­te­ça conos­co, no fim das contas, nin­guém consegue esca­par do sofri­men­to cau­sa­do pelas ver­da­des da imper­ma­nên­cia, da doen­ça, da sepa­ra­ção dos entes que­ri­dos e da morte. O Buda Shakyamuni exortava seus segui­do­res a enca­rar esta ver­da­de de fren­te, sem dela se afastar. O Darma fun­da­men­ta-se na ine­ren­te insa­tis­fa­ção da vida neste mundo. O Prín­ci­pe Sidarta, que veio a se tor­nar o Buda, dei­xou a casa de seu pai para bus­car a ilumina­ção ­depois de com­preen­der ple­na­men­te a inevi­ta­bi­li­da­de do sofri­men­to neste mundo.

 

Contemple que a sen­sa­ção não resi­de den­tro do corpo, nem fora do corpo, nem entre os dois.

Sutra do Grande Nirvana

 

Contemplação da imper­ma­nên­cia. Contemple a imper­ma­nên­cia e a inconstân­cia dos pensa­men­tos. Os pen­sa­men­tos vêm e vão com rapi­dez quase incon­ce­bí­vel e muito menos con­tro­lá­vel. Em um momen­to esta­mos no paraí­so, no seguin­te vemos as por­tas do infer­no abri­rem-se dian­te de nós. Nada disso é per­ma­nen­te. Nada disso se man­tém.

A mente movi­men­ta-se inces­san­te­men­te pelas con­di­ções desorganizadas do mundo sen­so­rial. Contemplando as fra­gi­li­da­des e inconstân­cias de nos­sos pró­prios pensamen­tos, ensi­na­mo-nos que todas as coi­sas são imper­ma­nen­tes e que nada que possa­mos con­ce­ber dura para sempre.

 

Contemple que a mente está reple­ta de lin­gua­gem e que a lin­gua­gem é separada daqui­lo a que se refe­re.

Sutra do Grande Nirvana

 

Contemplação do “não eu”. Contemple a ine­xis­tên­cia de uma natu­re­za individual per­ma­nen­te e imu­tá­vel em tudo e em todos.

 

Contemple que, toma­dos por aqui­lo que são, os fenô­me­nos não são nem bons nem maus.

Sutra do Grande Nirvana

 

O Sutra Vajracchedika-prajñaparamita (Sutra Diamante) diz: “Todos os dar­mas con­di­cio­na­dos são como ­sonhos, como ilu­sões, como ­bolhas, como som­bras, como orva­lho, como relâm­pa­gos e todos eles devem ser dessa forma con­tem­pla­dos”.

Darmas con­di­cio­na­dos são as coi­sas deste mundo, inclu­si­ve aque­las que estão em nosso pen­sa­men­to e em nossa ima­gi­na­ção. O Buda disse que todos eles são “como relâm­pa­gos ou como orva­lho”. Nenhum per­sis­te e nenhum é, em últi­ma aná­li­se, real. Nenhum tem natu­re­za própria. Nenhum está imune às mudan­ças.

 

Quando todas as ilu­sões são extin­tas, o que não é ilu­só­rio não se extin­gue.
É como lim­par um espe­lho: quan­do a poei­ra é eli­mi­na­da, apa­re­ce a cla­ri­da­de.

Sutra da Iluminação Plena

 

Concentração Correta

A prá­ti­ca budis­ta tem como ali­cer­ces a mora­li­da­de, a medi­ta­ção e a sabe­do­ria. Fala Correta, Ação Correta, Meio de Vida Correto e Esforço Correto obje­ti­vam aju­dar-nos a melhorar mora­lmente. Compreensão Correta, Pensamento Correto e Atenção Corretas por sua vez, pretendem nos tor­nar se não ­sábios, pelo menos um pouco mais sábios.

Concentração Correta é fer­ra­men­ta para apren­der­mos a medi­tar e nos bene­fi­ciar com a medi­ta­ção. A tran­qui­li­da­de e a paz encon­tra­das na medi­ta­ção são os alicerces da sabe­do­ria budis­ta. Em sâns­cri­to, o termo para concentração é samád­i, que desig­na um esta­do profun­do de con­cen­tra­ção ou um estado profundo de equi­lí­brio medi­ta­ti­vo. A base de qual­quer meditação é a con­cen­tra­ção. Quando apren­de­mos a nos con­cen­trar longa e profundamente nas ver­da­des imu­tá­veis do budis­mo e come­ça­mos a des­co­brir sua plenitude em esta­dos men­tais que exis­tem para além da lin­gua­gem, esta­mos pra­ti­can­do a Concentração Correta.

A paz e a pure­za que são des­co­ber­tas no samád­i, quan­do cor­re­ta­men­te apli­ca­das à vida, tra­zem enor­mes bene­fí­cios para nós e para as pes­soas com as quais temos con­ta­to. Em ter­mos ­gerais, a medi­ta­ção deve pro­mo­ver ­melhor saúde físi­ca, ensi­nar-nos a tranquilidade, auxi­liar-nos a ver mais cla­ra­men­te – o que sig­ni­fi­ca ilu­mi­nar-se – e, finalmente, mos­trar-nos o esplen­dor de nossa ineren­te natu­re­za búdi­ca. A medi­ta­ção deveria promover um com­por­ta­men­to social sau­dá­vel e pres­ta­ti­vo e não nos tornar depres­si­vos ou antissociais.

 

Se, medi­tan­do no Buda, per­ce­ber que sua mente não está calma e uni­fi­ca­da, deixe que ela se recolha em si mesma e ela ficará tranquila e uni­fi­cada. A ­melhor forma de fazer isso é pelo esfor­ço puro e sin­ce­ro. Quem não for sin­ce­ro não terá êxito.

Mestre Yinguang (1862-1940)

 

Como Compreender o Nobre Caminho Óctuplo

O Shastra Abhidharma-mahavibhasha expli­ca: “Compreensão Correta levaa Pensamento Correto. O Pensamento Correto ajuda-nos a con­quis­tar a Fala Correta. Pela Fala Correta, con­se­gui­mos che­gar à Ação Correta. A Ação Correta pos­si­bi­li­ta-nos alcançar o Meio de Vida Correto. O Meio de Vida Correto é o iní­cio do Esforço Correto. O Esforço Correto traz a Atenção Correta e esta nos per­mi­te domi­nar a Concentração Correta”.

Assim como mui­tos ­outros ele­men­tos do budis­mo, o Nobre Caminho Óctu­plo é uma divisão ver­bal e con­cei­tual de algo essencialmente indi­vi­sí­vel. Idealmente, o Nobre Caminho Óctu­plo deve­ria ser pra­ti­ca­do na ínte­gra, uma vez que suas par­tes são inter-relaciona­das. Idealmente, não deve­ria exis­tir sepa­ra­ção entre elas, mas o Buda diferenciou esses oito fatores rela­ti­vos à práti­ca do Darma por­que que­ria apresen­tar infor­ma­ções com­ple­xas de forma que esti­ves­sem ao alcan­ce de qual­quer pessoa empenha­da em compreendê-las.

Assim como os Cinco Preceitos, que podem ser ado­ta­dos gra­dual­men­te até que todos tenham sido domi­na­dos, o Nobre Caminho Óctu­plo pode ser apren­di­do passo a passo. O tre­cho do Shastra Abhidharma-mahavibhasha citado no iní­cio desta seção mos­tra como os fatores do Ca­mi­nho Óctu­plo se inter-rela­cio­nam. Essa expli­ca­ção deve ser toma­da apenas como uma aproxima­ção. Não devemos dedu­zir que seja neces­sá­rio espe­rar até conquistarmos a Compreensão Correta e o Pensamento Correto para come­çar a aperfeiçoar a Palavra Correta, por exem­plo.

O Buda ­incluiu a pala­vra “Cami­nho” ao criar a expres­são Nobre Caminho Óctuplo justamen­te por­que é um ensi­na­men­to para ser pra­ti­ca­do e apren­di­do ao longo do tempo. O Darma é extraor­di­na­ria­men­te pro­fun­do e sábio, mas, ainda assim, pode ser compreendi­do por todos os seres huma­nos que realmen­te se dedi­ca­rem a ele.

A Compreensão Correta é colo­ca­da em pri­mei­ro lugar no Nobre Cami­nho Óctuplo por­que ela é como a bús­so­la no navio – sua fun­ção é evi­tar que percamos o rumo. Se tiver­mos Compreensão Correta, o restante do budis­mo e a vida flui­rão natu­ral­men­te. Nunca é ­demais salien­tar a importância da Compreensão Correta. O tópi­co essen­cial deste livro é a Compreensão Correta. Se conseguir­mos enten­der os ensi­na­men­tos bási­cos do Buda, sem­pre sabe­re­mos como, por que, quan­do e onde pra­ti­car o Darma. Se nossa Compreensão for Cor­re­ta, não nos per­de­re­mos facil­men­te.

De acor­do com os Agamas: “Aquele que enten­de bem a Compreensão Correta, mesmo que viva cem vezes mil vidas, ­jamais cairá nos mun­dos inferiores”.

 

Para Praticar o Nobre Caminho Óctuplo

O Darma pode ser expres­so em pala­vras, mas é impos­sí­vel compreendê-lo plenamen­te se não o colo­car­mos em prá­ti­ca. Limitar-se a ler sobre o Darma sem pas­sar a pra­ti­cá-lo é algo trá­gi­co – seria como ler sobre téc­ni­cas de sal­va­men­to dian­te de um banhis­ta que este­ja se afo­gan­do, mas nada fazer para salvá-lo.

O Nobre Caminho Óctu­plo des­ti­na-se a ser um guia para todos os aspec­tos da vida. Ele deve ser imple­men­ta­do na vida diá­ria antes quea riqueza e o esplen­dor des­ses ensinamentos pos­sam ser ple­na­men­te compreendidos. Praticado com diligência, o Nobre Caminho Óctu­plo leva à mais mara­vi­lho­sa compreensão. Ninguém que pra­ti­que esse cami­nho há bastan­te tempo pode ter dúvi­das quan­to a seu poder e sabe­do­ria.

O Nobre Caminho Óctu­plo fun­da­men­ta-se em mora­li­da­de, crença e sabe­do­ria, sendo o guia per­fei­to para os ensi­na­men­tos do Buda. A prá­ti­ca diligen­te desse cami­nho leva, ao final, à ilu­mi­na­ção per­fei­ta.

 

Por incon­tá­veis éons, o pró­prio Buda rea­li­zou atos ilu­mi­na­dos pelo bem de todos os seres sen­cien­tes.
Assim, sua luz bri­lha em todos os mun­dos e a ale­gria nas­ceu na mente dos de boa índole em todos os luga­res.

Sutra Avatamsaka (Sutra da Guirlanda de Flores)

 

Capítulo 5 do livro Budismo Significados Profundos, Venerável Mestre Hsing Yün,
Escrituras Editora, 2ª edição revisada e ampliada, São Paulo, dezembro de 2011.
REV141212

normalcase b04s bsd fwR tsN left show|tsN left fwR b02s uppercase show bsd|left fwR tsN show normalcase|||image-wrap|news c05 b01 bsd|uppercase c05 b01 bsd fwR|b01 c05 bsd uppercase|login news uppercase b01 bsd fwR c15|tsN uppercase c05|normalcase uppercase c05|content-inner||